Movie-Blogger - Convidado de Hoje: Rafael Cruz

Postado por Adriano Martins em 28.2.10

movie_blogger_logo3

O blogueiro convidado de hoje no Movie-Blogger é o Rafael Cruz do blog "Reviews do Rafa". Veja a sua indicação:

Filme: Deixa ela Entrar
Título Original: Låt Den Rätte Komma In
Gênero: Terror
Direção: Tomas Alfredson
Roteiro: John Ajvide Lindqvist
Elenco: Kåre Hedebrant, Lina Leandersson, Per Ragnar, Henrik Dahl, Karin Bergquist, Peter Carlberg, Ika Nord.
Ano: 2008
Duração: 114 minutos
País: Súecia

Pode soar estranho, mas o cinema atual estava carente de bons filmes com a temática de vampiros. Nesta crítica não me refiro somente ao absurdo sucesso que tomou conta do imaginário teen, chamado Crepúsculo e suas derivações, dos quais não faço questão de me aprofundar, pois certamente não incluiria os personagens desta trama entre os seres vampirescos (Brilhar no Sol? Fala sério!).

Me refiro também a outros filmes relativamente recentes, como a própria série de filmes Underworld e a trilogia Blade, que mesmo com cenários bem estruturados e vampiros como protagonistas não conseguiam traduzir a essência do que realmente este ser de hábitos noturnos representa, em minha humilde opinião: A sedução. Sim, o vampiro é muito mais do que um mero sugador de sangue, ele é aquele ser que fascina, envolve e leva sua vítima em direção ao profundo desfiladeiro da ilusão, coisa que eu não via desde Entrevista com o Vampiro, em que o Tom Cruise consegue transmitir bem esta sensação. Eu falei "via", pois há pouco tempo fui surpreendido por uma certa produção sueca, adaptada de um livro do mesmo país, chamada por aqui de Deixa Ela Entrar.

O filme arrebatou uma série de prêmios desde seu lançamento e, segundo minhas investigações, só não foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por uma questão de problemas com o prazo de inscrição. Tá, prêmios não me impressionam tanto, não é sempre que os jurados têm um gosto parecido com o meu, mas desta vez tive que me render a opinião pública.

O fato aqui é que, não só da temática de vampiros, mas como em um todo, fui apresentado a um dos melhores filmes que já assisti ao longo de minha jornada de cinéfilo. O ano é 1982 e a trama se passa nos subúrbios de Estocolmo, capital da Suécia, quando o mundo ainda se sentia dividido por uma bipolaridade política.Encontramos dois protagonistas. Oskar (Kåre Hedebrant) é um menino de 12 anos, com um lar visivelmente desestruturado e enfrentando sérios problemas de bully na escola. Do outro lado encontramos Eli (Lina Leandersson), uma menina que se mudou recentemente para a vizinhança de Oskar acompanhada por um homem muito mais velho que ela. Eli é envolvente, seus olhos me seduziam em cada cena que eu os via - atualmente ela ocupa o posto de personagem de filme pela qual sou mais fascinado. Ocasionalmente, os dois garotos passam a se encontrar em um parque existente na vizinhança e constroem uma das mais belas relações de cumplicidade que já vi.

deixa_ela_entrar2

Após uma série de estranhos acontecimentos envolvendo mortes e tentativas de homicídio, Oskar, que se mostra um menino muito inteligente pra sua pouca idade, começa a investigar e chega a uma terrível suspeita: Eli é uma vampira. Apesar de algumas cenas do filme, o termo "vampiro" é utilizado com um cuidado tão grande, que talvez se ele fosse retirado não faria falta ao roteiro. Por falar em roteiro, é um dos mais geniais que vi. Cada situação, cada cena, é colocada de um modo que quem assiste consegue sentir, de fato, a emoção que cada personagem quer passar. A abordagem dada a este famoso ser mitológico ultrapassa a simples necessidade de se alimentar de sangue, ela abrange em uma temática metafórica os desafios encontrados na transição pra adolescência, a dor das mudanças, de se sentir isolado, de encontrar alguém que possa compreender os seus sentimentos.

Eu seria injusto em dizer que é nos relacionamentos encontrados no filme que achamos o seu ponto forte. Não há como definir apenas um ponto forte, são vários! Se coubesse a mim destacar algo, destacaria as belas atuações dos jovens protagonistas. A Lina consegue passar em Eli um ar de desleixo e mesmo assim contrastar com aquele par de olhos que parecem penetrar na alma de quem assiste. O Kåre conseguiu criar um Oskar tão fragilizado e, paradoxalmente, forte em alguns momentos, que convence quem o vê de que ele realmente é aquele menino, com seu ódio reprimido, esperando o momento ideal para sua vingança, a qual ele tanto ensaia. Em suma, um verdadeiro filme de vampiro e, de quebra, uma obra de arte para ser admirada pelos mais diversos grupos.

A trilha sonora é um capítulo a parte, sua construção se funde tão bem ao clima sombrio apresentado pelas ruas de Estocolmo saturadas de neve , que merece ser apreciada minuciosamente várias vezes. Não espere respostas prontas, Deixa Ela Entrar é aquele filme que faz você gastar horas elaborando uma série de teorias baseadas em fatos apresentados, pra no fim de tudo, se dar conta de que o diretor, genialmente, deixou de propósito esta situação em aberto, alimentando deste modo uma série de calorosos debates em fóruns pela web. Definitivamente, um filme que marcará aqueles que tiveram o prazer de apreciá-lo e irá figurar facilmente no top de melhor filme já visto por muitos. Palmas para os suecos, além de suas belas loiras eu agora tenho algo mais para apreciar deste país. Bravo!

Apenas uma pequena observação final. Os norte-americanos baseados em não-sei-o-quê, já estão em fase de criação da sua própria versão do filme. Sinceramente, não vejo nada nisso além de um caça-níquel desnecessário.

Trailer



*

7 comentários

  1. Anônimo comentou:

    Hollywood e seus remakes

     

  2. Rafa Cruz comentou:

    Este comentário foi removido pelo autor.

     

  3. Rafa Cruz comentou:

    Sempre esses remakes sem utilidade. Pelo que li sobre, as alterações na história vão descaracterizar muito o enredo original.

     

  4. Pedro Brum comentou:

    Sim, já da pra imaginar todas as cenas que eles vão cortar(censurar). Duvido que os atores tenham o carisma da dupla original

     

  5. Vinicius Colares comentou:

    Como cinéfilo, além das belas loiras, não é apenas deixe ela entrar que vc deve apreciar, lembre-se de Ingmar Bergman!

     

  6. Pedro brum comentou:

    Deixe ela entrar foi a prova que cinema sueco de qualidade não é só ingmar bergman

     

  7. O Título Certo comentou:

    Remakes desnecessários não são uma regra, um bom exemplo é vanila sky.
    Sim. Esse filme tá na minha lista de melhores.

     

Postar um comentário

Publicidade