Crítica: Milk

Postado por Adriano Martins em 13.3.09

Photobucket

Por Vinicius de Abreu

Um filme totalmente politizado e sensacional! Retrata de forma inteligente a discriminação contra homossexuais ... o legal que não tem gay estereotipados, como em Gaiolas das Loucas (1978) - citei o francês que realmente é engraçado, pois o americano é ridículo - até porque o intuito aqui não é comédia, e sim mostrar a vida real de um político-gay norte-americano. O diretor foi muito bem sucedido em seu intuito de passar os problemas de um gay assumido em uma sociedade completamente conservadora ... e isso nos anos 70, depois de toda aquela revolução sexual do "faça-amor-não-faça-guerra", que tanto ouvimos falar. Claro que nos anos 50 ele teria sido morto no meio da rua e nem teríamos uma história para ver em um filme! O roteirista é um caso a parte - não é sem motivo que este ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptada em 2009 - muito bem feito, te prende a atenção do início ao fim, mesmo sabendo o final, por ser uma história verídica! Soube trazer para as falas as preocupações de um ativista em plena guerra sociocultural ... facilitou a vida do diretor com o excelente roteiro, com certeza.

O elenco foi muito bom, destacando (claro) o Vencedor de Melhor Ator, Sean Pean, o cara passou por uma transformação física incrível para viver este papel, ficou idêntico às fotos do "real Milk", algumas são mostradas no final do filme. Gostei bastante também do Diego Luna, o cara foi completamente convincente ... a melhor mulher ciumenta que já vi no cinema ... para um ator, acho que este é um bom elogio! Não há efeitos especiais, não é um filme para isso, mas temos uma trilha sonora incrível - mesmo não sendo um fã de ópera, acho que representou bem a sua função no filme - e uma história digna de ser contata! Antes de ver o filme, estava meio receoso de ser um outro O Segredo de Brokeback Mountain (2005), cujo o problema para mim não eram os vaqueiros gays, mas o tom romântico meloso do filme ... não gosto de filmes assim ... nunca gostei! Mas, ainda bem, este não está nem perto daquele, o tema central nem é o mesmo. Temos aqui uma história real, que ajudou a iniciar uma mudança de mentalidade em uma nação conservadora, mentalidade esta que ainda é forte, especialmente aqui no Brasil. Acredito que outras minorias podem aprender muito com a luta do Direito Gay ...

ps.: o único pecado do filme a meu ver é que simplesmente não dá para entender nada sobre o modelo americano de eleição, o Harvey foi eleito para quê mesmo? O que significa esse cargo na vida pública? Mas tudo bem isso não é tão importante para a história!

Veja, não perca esta chance de abrir seus horizontes e rever teus conceitos ...

Além do Cinemando, Vinicius de Abreu escreve no Bolicho do Diretor


1 comentário

  1. Anderson Siqueira comentou:

    Gostei, mas me cansou.

     

Postar um comentário

Publicidade